Um eclipse lunar e um cometa

Penumbral_lunar_eclipse_Feb_9_2009_NavneethC

Por ocasião do máximo do eclipse a Lua deverá apresentar-se com um obscurecimento idêntico ao da imagem obtida durante o eclipse penumbral de 9 de Fevereiro de 2009. Fonte: Wikipedia.

Hoje, dia 10 de Fevereiro de 2017, ocorre o primeiro eclipse lunar do ano. Trata-se de um eclipse parcial Penumbral. A Lua irá atravessar a sombra exterior da Terra, a Penumbra, o que significa que este eclipse não fará com que a Lua fique totalmente obscurecida, como aconteceria se a Lua atravessasse a sombra mais interna do nosso planeta, a Umbra.

Devido ao eclipse apenas ser Penumbral, este deverá ser notado apenas pelos observadores mais atentos, que irão verificar que o topo norte da Lua (a parte de cima) estará mais escuro que a restante superfície lunar.

O eclipse começa em torno das 22h34m (dia 10), atingirá o máximo pelas 00h43 (dia 11) e terminará pelas 02h53 (dia 11).

LE2017Feb11N

Diagrama representativo da posição da Lua ao longo do eclipse em relação à Umbra (sombra interior da Terra, a vermelho) e à Penumbra (sombra exterior, a cinzento). Créditos: Fred Espenak, Nasa GSFC.

 

Na comunicação social é ainda possível ler que nesta mesma noite estará visível um cometa. O 45P/Honda-Mrkos-Pajdusakova encontra-se na madrugada de 11 de Fevereiro no ponto mais próximo da Terra, a uma distância de pouco mais de 13 milhões de quilómetros.

Embora esteja no ponto mais próximo da Terra, a considerável distância ao Sol faz com que o cometa tenha uma magnitude (brilho aparente) superior a 7.0, o que significa que apenas será possível observá-lo através de binóculos ou telescópios.

O cometa está na constelação de Hércules, sendo observável bem posicionado no céu em torno das 3h00 da madrugada. Contudo a Lua, que por esta hora já terá terminado o eclipse, deverá dificultar as observações do cometa com o seu brilho intenso.

Ainda assim, vale sempre a pena olhar para cima, se as nuvens deixarem! Boas observações.

Registo do cometa 45P/Honda-Mrkos-Pajdušáková por ocasião da sua passagem anterior pelo Sistema Solar interior, em 2011. Crédito: Nasa

orbita

Representação da órbita do cometa (à esquerda) e posição do cometa 45P em relação ao planeta Terra no momento de maior aproximação. Créditos: NASA/JPL