Imagem de Eta Carinae com maior resolução obtida até à data

O Interferómetro do VLT captura ventos fortes no famoso sistema estelar massivo

eso1637a

 

Esta é a melhor imagem do sistema estelar Eta Carinae obtida até à data. Estas observações foram feitas com o Interferómetro do Very Large Telescope e poderão levar a uma melhor compreensão da evolução de estrelas de elevada massa. Créditos: ESO

Esta é a melhor imagem do sistema estelar Eta Carinae obtida até à data. Estas observações foram feitas com o Interferómetro do Very Large Telescope e poderão levar a uma melhor compreensão da evolução de estrelas de elevada massa. Créditos: ESO

Uma equipa de astrónomos, liderada por Gerd Weigelt do Instituto Max Planck de Rádio Asttronomia (MPIfR) em Bona, na Alemanha, utilizou o Interferómetro do Very Large Telescope (VLTI), instalado no Observatório do Paranal do ESO, para obter uma imagem única do sistema estelar Eta Carinae situado na Nebulosa Carina.

Este colossal sistema binário, constituído por duas estrelas massivas que orbitam em torno uma da outra, é muito ativo, dando origem a ventos estelares com velocidades que vão até 10 milhões de km por hora [1]. A região entre as duas estrelas, onde os ventos de ambas colidem, é muito turbulenta, mas até agora não se tinha ainda conseguido estudar.

O poder do binário Eta Carinae cria fenómenos dramáticos. Astrónomos dos anos 1830 observaram uma “Grande Erupção” no sistema. Sabemos agora que esta erupção ocorreu quando a maior das estrelas do binário libertou enormes quantidades de gás e poeira num curto período de tempo, o que levou à formação dos lóbulos distintos, conhecidos por Nebulosa Homunculus, que vemos atualmente no sistema. O efeito combinado dos dois ventos estelares a chocarem um contra o outro a velocidades extremas faz com que as temperaturas na região aumentem para milhões de graus e ocorram intensos “dilúvios” de raios X.

Esta panorâmica combina uma imagem nova do campo em torno da estrela Wolf-Rayet WR 22, situada na Nebulosa Carina (à direita) com uma imagem anterior da região em volta da estrela Eta Carina, no coração da nebulosa (à esquerda). A fotografia foi criada a partir de imagens obtidas com o instrumento Wide Field Imager, montado no telescópio MPG/ESO de 2,2 metros, situado no Observatório de La Silla, no Chile. Créditos: ESO

Esta panorâmica combina uma imagem nova do campo em torno da estrela Wolf-Rayet WR 22, situada na Nebulosa Carina (à direita) com uma imagem anterior da região em volta da estrela Eta Carina, no coração da nebulosa (à esquerda). A fotografia foi criada a partir de imagens obtidas com o instrumento Wide Field Imager, montado no telescópio MPG/ESO de 2,2 metros, situado no Observatório de La Silla, no Chile. Créditos: ESO

A área central onde os ventos colidem é relativamente pequena — mil vezes menor que a Nebulosa Homunculus — razão pela qual os telescópios colocados tanto no espaço como no solo não tinham ainda conseguido obter uma imagem detalhada da região. A equipa utilizou o poder resolvente do instrumento AMBER do VLTI para observar este reino violento pela primeira vez. Uma combinação inteligente — um interferómetro — de três dos quatro Telescópios Auxiliares do VLT fez aumentar em 10 vezes o poder resolvente, relativamente a um único Telescópio Principal do VLT. Conseguiu-se assim obter a imagem mais nítida de sempre do sistema, o que levou à obtenção de resultados inesperados sobre a sua estrutura interna.

Esta imagem da estrela variável azul Eta Carinae, obtida pelo instrumento infravermelho de óptica adaptativa NACO montado no Very Large Telescope do ESO, mostra uma quantidade incrível de detalhes. A imagem mostra claramente uma estrutura bipolar assim como jactos lançados a partir da estrela central. A imagem foi obtida pela equipa científica do Paranal e processada por Yuri Beletsky (ESO) e Hännes Heyer (ESO). Baseia-se em dados obtidos em banda larga (J, H e K; exposições de 90 segundos por filtro) e em banda estreita (1.64, 2.12 e 2.17 microns; observando ferro, hidrogénio molecular e atómico, respectivamente; exposições de 4 minutos por filtro). Créditos: ESO

Esta imagem da estrela variável azul Eta Carinae, obtida pelo instrumento infravermelho de óptica adaptativa NACO montado no Very Large Telescope do ESO, mostra uma quantidade incrível de detalhes. A imagem mostra claramente uma estrutura bipolar assim como jactos lançados a partir da estrela central. A imagem foi obtida pela equipa científica do Paranal e processada por Yuri Beletsky (ESO) e Hännes Heyer (ESO). Baseia-se em dados obtidos em banda larga (J, H e K; exposições de 90 segundos por filtro) e em banda estreita (1.64, 2.12 e 2.17 microns; observando ferro, hidrogénio molecular e atómico, respectivamente; exposições de 4 minutos por filtro). Créditos: ESO

A nova imagem VLTI mostra claramente a estrutura que existe entre as duas estrelas Eta Carinae. Foi observada uma inesperada forma em ventoinha na região onde o vento da estrela mais pequena e mais quente colide com o vento mais denso da estrela maior.

“Os nossos sonhos tornaram-se realidade, porque agora conseguimos obter imagens extremamente nítidas no infravermelho. O VLTI dá-nos a oportunidade única de aumentar o nosso conhecimento sobre Eta Carinae e sobre muitos outros objetos chave”, diz Gerd Weigelt.

Para além das imagens, observações espectroscópicas da zona de colisão permitiram medir as velocidades dos intensos ventos estelares [2]. Com estes valores, foi possível criar modelos de computador mais precisos da estrutura interna deste sistema estelar, o que nos ajudará a compreender como é que estas estrelas de massas extremamente elevadas perdem massa à medida que evoluem.

Um dos membros da equipa, Dieter Schertl (MPIfR), olha para o futuro:” Os novos instrumentos GRAVITY e MATISSE do VLTI permitir-nos-ão obter imagens interferométricas com ainda mais precisão e num intervalo de comprimentos de onda ainda maior. É necessário um vasto intervalo de comprimentos de onda para se poder derivar as propriedades físicas de muitos objetos astronómicos.”

Fonte: Observatório Europeu do Sul (ESO)

Artigo sobre o OLA publicado em Jornal Finlândes “Helsingin Sanomat”

capturar

O jornal finlandês “Helsingin Sanomat” publicou a 8 de Outubro um artigo onde figura o Observatório do Lago Alqueva – OLA, bem como entrevistas aos promotores do OLA, o Dr. Nelson Nunes e o Eng. Leonel Godinho.

Este artigo surge na sequência da visita da jornalista Pilvikki Kause ao OLA durante o verão passado e conta ainda com a participação da promotora da Reserva Dark Sky Alqueva, Apolónia Rodrigues e com Miguel Claro, o astro-fotógrafo oficial da Reserva Dark Sky Alqueva

1475725710481

Fotografia do Dr. Nelson Nunes junto da cúpula do OLA. Créditos: Pilvikki Kause, Helsingin Sanomat

Quem quiser pode consultar o artigo original em:

http://www.hs.fi/matka/a1475725663003